3 Dezembro 2021

Este lugar é todo nosso.
Seu olhar atravessa a multidão e ele busca minha permissão.
Como toque de magia a musica começa.
Meu vestido é claro, longo, o tecido fino e esvoaçante.
Sua postura lembra um príncipe dinamarquês.
Ele está lindo em sua casaca impecavelmente preta.
Conduzida para felicidade no balanço característico, os passos vão impulsionando a criatividade e a sensibilidade em traçados poéticos e jogos de sedução.
Elegantemente sua mão envolve minha cintura e eu flutuo pelo salão.
Valorizamos o compasso, e, nossos braços se alongavam numa habilidade e coreografia onde a percepção e a leveza afloraram deliciosamente por todos os poros.
A valsa, o salão, você e eu. Nada mais é necessário.
Leve é o tempo que teimoso se faz de esquecido e a todo instante se repete.
A música não tem fim.
Não existe cansaço, somente entrega.
Somos um só a todo instante.
Seu coração pulsa em minha mão.
Meu coração rodopia o salão.
Estamos vivos e capazes.
Podemos arriscar tomar o leme, enfrentar a preciosa tempestade que grita impiedosa.
De repente vem o desespero e o medo.
Estou assustada e sinto que não existe mais nenhuma alternativa.
Completamente impulsionada pela intuição, emocionada, não consigo acreditar que não resta solução.
Infelizmente.. ah, infelizmente aos prantos, simplesmente acordei.